Todo mundo conhece a baunilha, mas pouca gente sabe que ela não é só um vidrinho de essência, mas uma lindíssima orquídea. Seu nome científico é Vanilla planifolia e, entre milhares de espécies de orquídea, é a única cultivada por seu fruto e não por sua flor.

É produzida e adorada há séculos, muito antes de Colombo chegar às Américas. Ela surgiu nas florestas em volta da pirâmide de Tajil, a capital dos Totonacos, povo pré-hispânico da região do golfo do México, vizinhos dos Astecas.

templo.baunilha.historiacocina.com

Conta a lenda que em Tajil vivia a princesa Xanath, filha de nobres locais. Um dia Xanath foi fazer uma oferenda na pirâmide quando conheceu e se  apaixonou por um simpático agricultor chamado Tzarahuin. Mas o rapaz era muito humilde e claro que o romance entre castas era proibidíssimo na sociedade Totonaca. Mesmo assim os pombinhos continuaram se encontrando até serem descobertos. Seguindo a tradição, foram oferecidos aos deuses e sacrificados abraçadinhos.

baunilha vanilla fragrans.xanath

Um triste fim para os dois jovens apaixonados, mas um feliz começo para nossa planta. Pois justo no local do sacrifício todas plantas secaram. Entre as folhas secas surgiu um broto de uma espécie nunca vista antes, que rapidamente se desenvolveu escalando uma grande árvore. De suas ramas vigorosas brotaram lindas flores amarelas. E seus frutos, ao se abrirem, soltavam um aroma tão mágico e delicado que imediatamente aquela planta se tornou sagrada aos Totonacos. E assim nasceu a Baunilha.

Para logo em seguida, se tornar também fonte de muita riqueza. Pois misturada a outra planta ainda mais importante, o Cacau, se transformava no Xocolatl, a infusão venerada por todos os povos da região, considerada a bebida dos deuses. O cacau até era o ingrediente principal, mas o toque especial, que dava um sabor único ao xocolatl era a baunilha.

O Cacau era abundante e produzido com facilidade por todos povos da região. Mas só os Totonacos conseguiam cultivar a baunilha, ela só produzia frutos se polinizada por um inseto exclusivo de suas florestas.  Espertamente, começaram a exportar favas de baunilhas aos Astecas, Maias e todos outros vizinhos. E assim se mantiveram, por muitos séculos, como o único produtor de baunilha no mundo.

Das américas para o mundo. Em 1519 a baunilha protagonizou um encontro de gigantes. Quando o desbravador espanhol Hernan Cortéz adentrou pela primeira vez em Tenochtitlán (atual cidade do México). Os espanhóis foram recebidos pelo Imperador dos astecas, Montezuma II e convidados para um grande banquete. Beberam o xocolatl e se encantaram com o aroma marcante, extraído daquele exótico fruto. Por parecer uma pequena vaina (vagem em espanhol), foi chamada de vainilla. No ano seguinte, a notícia do exótico perfume chega à Espanha, gerando enorme curiosidade (e demanda!). Agora dominados pelos espanhóis, os Totonacos começam a produzir baunilha em larga escala e exportar também para Europa.

códice Badiano 1580 - Primeira ilustração da baunilha na europa

códice Badiano 1580 – Primeira ilustração da baunilha na europa

A segunda lenda. Confirmando que a baunilha só poderia ser cultivada nas selvas Totonacas e por seu povo, centenas de pés de baunilha foram roubados e pirateados para diferentes colônias ao redor do mundo. Até produziam flores, mas os frutos não apareciam. Isso fez o monopólio dos Totonacos se manter intocado por mais trezentos anos.

Enquanto isso, os franceses, apaixonados pela baunilha, tentavam sem descanso descobrir o segredo da polinização para se livrar do domínio espanhol. A missão é delegada a diversos botânicos em todo Império Francês que por anos perseguem a resposta. Até que em 1841, nas colônias das Ilhas Reunião, finalmente o segredo da polinização é descoberto.

E, o mais sensacional, essa descoberta tão importante, que revolucionou todo mercado comercial da planta, não foi feita por algum renomado cientista. Mas sim por um jovem escravo de apenas 12 anos, chamado Edmond Albius. Que consegue polinizar a orquídea de forma muito simples e rápida, com apenas um palitinho.

Edmond Albius - com filtro vanilla!

Edmond Albius – com filtro vanilla!

Como era de se esperar, o escravo teve que esperar muitos anos para ter a autoria da descoberta reconhecida e morreu na miséria. Enquanto grandes barões espalharam a baunilha pelo globo e criaram fortunas. Imediatamente a produção mexicana inicia seu declínio e em poucos anos perde totalmente sua relevância no quadro mundial.

Como cultivar a baunilha. As mudas devem ser plantadas em solo fértil e precisam de meia-sombra, com excelente claridade. Importante, é uma trepadeira. Por isso é necessário plantá-la junto a uma parede ou uma árvore para servir de apoio. E é bom ter espaço, ela pode passar de 20 metros de comprimento e precisa de um ambiente tropical, com calor e umidade para se desenvolver.

Finalmente, homenageando o pequeno Edmond, que faz parte da nossa galeria de grandes jardineiros, dividimos aqui um vídeo que ensina direitinho o truque que ele descobriu. Só precisa do palitinho (e um pouquinho de treino). Está em inglês mas é bem ilustrativo e fácil de entender.

E, para quem quiser ter um pé de Baunilha em casa, é só clicar aqui. O Mercado Verde comercializa mudas de rápida floração.